A Realidade Difusa do Cotidiano

by Thiago David

/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.

      name your price

     

  • Compact Disc (CD) + Digital Album

    EP produzido por Heitor Dantas e Zuza Caitano com as músicas autorais de Thiago David.
    Uma bela aventura musical.

    Includes unlimited streaming of A Realidade Difusa do Cotidiano via the free Bandcamp app, plus high-quality download in MP3, FLAC and more.
    ships out within 2 days

      $8 USD or more 

     

1.
2.
03:41
3.
02:32
4.

about

Fruto da produção soteropolitana de Heitor Dantas e Zuza Caitano, as músicas de Thiago David ganham seu ar difuso nas letras contundentes e trabalhadas sobre as coisas do céu e da terra perdidas na realidade cotidiana.

credits

released April 2, 2014

Produzido por Heitor Dantas e Zuza Caitano
Letra e música por Thiago David (Abraxas, Solto, Quanta Notícia)
Letra e música por Thiago David e Hugo Noguchi (Pôr do Sol 6 da Tarde)
Arte por Juliana Minelli
Agradecimentos: Tomas Gonzaga, Andrés Patiño Casasfuerte, Victor França

tags

license

about

Thiago David Rio, Brazil

contact / help

Contact Thiago David

Streaming and
Download help

Shipping and returns

Track Name: Quanta Notícia
Acordar que preguiça é tanta notícia,
É tia letícia que foi pro açougue.
É quem sabe que soube e que conta.
Eu não sei. nem sei se quis saber...

É gente que mata, gente que some
É um filme divino com marco nanini
É lula, é lama, é gandhi, é sandy
Cantando pra mim no final de semana
Eu me sinto uma anta!
Pergunto ao tio google
Se existe uma âncora para o mar profundo.
Se for, eu mergulho bebendo uma fanta,
Se for, eu mergulho bebendo uma fanta.

Maínha, desliga a tv, esse mundo não tá dando...
Se eu fosse você estaria dançando e cantando.
Cantando e dançando.

Acordar que preguiça é tanta notícia,
É tia letícia que veio do açougue.
É quem sabe que soube e que conta.
Eu não sei. nem sei se quis saber...

É verdade, é mentira.
É de hoje, é de ontem...
É o suor da cachaça movendo o homem.
É o samba, é osama, é hussein, é nirvana
No especial por toda semana.
É a bomba, é a onda,
Eu pergunto ao tio google
Se existe um sonda para um outro mundo.
Se for eu me entrego ao canto de ossanha,
Se for eu me entrego ao canto de ossanha.

Maínha, desliga a tv, esse mundo não tá dando...
Se eu fosse você estaria dançando e cantando.
Cantando e dançando.
Track Name: Abraxas
Enquanto o olho vagueia
o corpo tempera a tentação.
A alma grita sim,
mas o santo implora o não.
Os desejos são verdades
muito além do coração:
Só quem sente tem coragem
de dizer o não ao não.

Abraxas me disse
Que eu visse
Que eu fosse
Fizesse e estivesse
Cantasse e desse
Um pouco de mal
Pelo meu bem.

Ele disse: repita! com a força da vida
Do corpo caído e por cada saída
Cada um escolhe o que lhe convém.

Ignore o santo e o manto
O puro é apuro da medo e só causa espanto
O pecado é bom e não mata ninguém

Porque é tão difícil viver o que brota de mim?
Track Name: Solto
Quando eu morri só eu sabia que eu estava solto
E a alegria era tanta que eu esqueci de mim.
Minha alma canta por ser livre e não ser presa ao corpo.
E agora eu não trabalho,
E agora eu só viajo,
Agora eu sou um fantasma e sei voar sem o pirlimpimpim.

Quando eu morri só eu sabia que eu estava solto.
As alergias que eu tinha não estão mais em mim.
Não sinto fome, não me canso e canto o dia todo.
E agora estou no espaço,
Agora eu me acho,
Agora eu sou apenas um espirito tupiniquim.

Quando eu morri só eu sabia que eu estava solto,
A liberdade era tanta que foi por um triz.
Me induziram a ir para a terra encarnar de novo.
Mas olha eu não sou bobo!
Mas saiba eu não sou louco!
Que merda me encarnaram e eu voltei para o mundo infeliz.

Quando eu nasci de novo eu sabia que estava morto.
A vida inteira era muito para viver assim.
O corpo chora e não há leite para curar o pranto.
E agora eu vou para a escola,
E agora dói as costas,
E agora eu envelheço até chegar de novo o fim.
Track Name: Pôr do Sol 6 da Tarde
As sombras crescem devagar
Agora
Quando eu paro a contemplar
A aurora me saudar.

Os turistas andando,
O bonde passando,
O cair do sol,
Eu sorrindo cantando:
Que me venha o acaso em vão.

Não basta olhar o chão, não.
Não basta ficar olhando.
Olhe a janela, procure ela,
A vida te espera!
A vida te espera, meu irmão.

Ah! Deixe o dia chegar,
Também deixe passar,
Mas sabendo que o tempo (que passa ligeiro) guarda segredos pra te alegrar.